Você sabia que os hormônios da tireoide são fundamentais quando se trata de fertilidade? Tanto na mulher, como no homem.
Quando os hormônios são produzidos em excesso, causam o hipertireoidismo. E quando a produção é insuficiente, a consequência é o hipotireoidismo.
Homens com hipotireoidismo podem apresentar redução dos níveis de hormônios masculinos, disfunção erétil e redução no número de espermatozoides. Já as mulheres, por não terem, neste caso, a quantidade suficiente do hormônio T4, encontram maior dificuldade em engravidar porque a ovulação pode não ocorrer ou ser irregular.
No hipotireoidismo feminino, é frequente haver redução da libido, sangramento menstrual excessivo ou ausência de menstruação, e maior ocorrência de abortos espontâneos e de partos prematuros.
No hipertireoidismo, quando o hormônio TSH não está dentro do padrão de referência, a fertilidade pode ser afetada por causa da irregularidade da menstruação, o que permite a ovulação fora da fase lútea ou impede a ovulação, podendo até causar a infertilidade.
Embora haja maior dificuldade de fecundação, algumas mulheres obtêm sucesso e engravidam, mas precisam ser acompanhadas de perto pelo médico para que o desequilíbrio no metabolismo não prejudique ou elimine o feto.
Para que a gravidez aconteça, os hormônios devem atuar em equilíbrio. Só assim a ovulação e a permanência do embrião no útero poderão transcorrer normalmente, sem prejuízos ao desenvolvimento da gravidez e do feto.