IMC significa Índice de Massa Corporal, calculado através do peso e altura de um indivíduo. Com base nele, mede-se a existência da obesidade. Quanto mais alto o IMC, mais a pessoa está acima do seu peso ideal. O ideal é um IMC entre 18 e 24,9. Se estiver acima de 25, já caracteriza um sobrepeso e, acima de 30, obesidade.

Embora a maioria das pessoas já saiba das consequências mais comuns que a obesidade provoca, afetando a saúde de milhões de pessoas, poucas têm conhecimento de que a fertilidade também pode ser afetada pelo excesso de peso.

A revista “Obstetrics and Gynecology Clinics of North America” publicou, há pouco mais de um ano, um estudo que relata a associação entre a obesidade e a fertilidade. De acordo com este estudo, o tecido adiposo produz substâncias chamadas adipocinas, que influenciam a boa comunicação entre as células do corpo. Uma vez que esta comunicação não seja eficiente, as funções celulares não são exercidas corretamente, podendo influenciar as regiões do cérebro responsáveis pelo controle do ciclo ovulatório.

Quando existe excesso de tecido adiposo no organismo, ele se torna tóxico, pois a gordura acaba sendo armazenada em diferentes células e tecidos, incluindo os óvulos, e, por isso, acabam afetando a sua qualidade.

Além do estudo mencionado, existem evidências de outros problemas provocados pela obesidade em relação à fertilidade. A possibilidade de abortos espontâneos é maior, assim como a diabetes gestacional e a hipertensão em mulheres obesas.

Se uma mulher tem gordura corporal em excesso, seu corpo também produz uma maior quantidade de estrógeno e começa a reagir como se estivesse controlando a reprodução, limitando as chances de gravidez.

Isso vale também para os homens. O excesso de peso altera as taxas de dois hormônios importantes, reduz o nível de testosterona e aumenta o de estradiol, o que compromete a produção de esperma. Além da obesidade prejudicar o ciclo hormonal masculino, estudos apontam que aqueles com sobrepeso têm maior índice de fragmentação do DNA do espermatozoide, o que pode gerar falha na fertilização.

Por isso, quando mulheres obesas decidem que querem engravidar, a primeira recomendação médica é que elas emagreçam. Da mesma forma, se o parceiro for obeso, e a mulher não, uma redução no peso dele também poderá beneficiar a fertilidade do casal.